As tecnologias do futuro invadem a cultura ancestral da pastorícia

escuela pastores picos europa

As tecnologias modernas invadiram a ancestral cultura da pastorícia, e o ofício, determinante durante séculos para a configuração da paisagem característica de muitos ecossistemas, atualiza-se com o objetivo de assegurar o testemunho geracional e a viabilidade de muitas explorações.

Para garantir a transferência de conhecimentos e evitar que o ofício entrasse em vias de extinção, têm proliferado as “Escolas de Pastores”, que estão a contribuir para uma maior profissionalização do setor, mas sobretudo para uma maior qualificação.

A pastorícia tem sido durante séculos a atividade primária que tem assegurado o bom estado de conservação de muitos ecossistemas, e da sobrevivência do ofício dependerá em grande medida a saúde de muitos espaços naturais.

Mas os pastores são também o primeiro elo de ligação de uma cadeia que tem a ver não apenas com o meio ambiente, com a prevenção de riscos ambientais ou com a moldagem da paisagem, mas também com a segurança alimentar, com o bem-estar animal, com a gestão do território e com a preservação da cultura e da tradição.

Nada a ver, ou talvez sim, com a idílica e romântica imagem dos velhos pastores conduzindo o gado, pois Batis Otaegi, responsável pela Escola de Pastores do País Basco, reivindica o amor pela natureza e a paixão pelos animais como base do ofício.

Comparte este contenido

Submit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Continuar...

Artesãos da madeira: depositários de tradição e guardiões da natureza

madera naturaleza aOs profissionais que trabalham com a madeira de uma forma manual estão a converter-se não apenas em artesãos e depositários das tradições, mas também em depositários do ambiente e de uma natureza que lhes fornece a matéria-prima de que necessitam.

São escultores, entalhadores, torneiros, carpinteiros, marceneiros ou "luthiers" que acumulam um importante acervo de saberes ligados a muitos ofícios tradicionais, mas que olham também para o futuro procurando testemunho geracional que não encontram.
Com esse objetivo celebra-se no espaço cultural do Matadero de Madrid as "Jornadas de Trabalho de Autor em Madeira", um fórum que reúne pelo terceiro ano consecutivo profissionais deste setor para mostrarem uma grande variedade de produtos fabricados em madeira de forma artesanal e que aliam design, funcionalidade e sustentabilidade.

Alberto Azpeitia, coorganizador do evento, realçou a importância de dar visibilidade a estes ofícios e ao conhecimento ancestral que cada um deles aporta, tendo observado que noutros países os Governos financiam com fundos públicos essa transferência de conhecimentos, visando salvaguardá-los e garantir a sua preservação.

Em declarações à EFE, Azpeitia frisou que a madeira "não é uma matéria-prima do passado; é um recurso do futuro", acrescentando que nenhum outro material se encaixa melhor nos conceitos modernos de "economia circular" e de sustentabilidade; "sempre que plantamos árvores temos matéria-prima, é um ciclo natural que nunca acaba".

Comparte este contenido

Submit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Continuar...

Los ecoturistas quieren más y mejores senderos y menos centros de visitantes

atardecer formenteraLos ecoturistas quieren más y mejores senderos e infraestructuras para acceder a los recursos naturales y no tanto grandes instalaciones como los centros de visitantes y de interpretación que han proliferado durante las últimas décadas en muchos países.

Casi la mitad de los ecoturistas deciden sus destinos en función de esas infraestructuras y de que sean seguras, pero su decisión depende también de que puedan realizar actividades (senderismo, observación de aves u otras) que les acerquen a esos recursos naturales.

Los argumentos son del profesor estadounidense James Barborak, director del Centro para el Manejo y Capacitación en Áreas Protegidas de la Universidad Estatal de Colorado y miembro del grupo de Turismo y Áreas protegidas de la Unión Internacional para la Conservación de la Naturaleza (UICN).

Comparte este contenido

Submit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Continuar...

Agricultores… e responsáveis da última biodiversidade da Europa

Explotaciones agrícolas en la campiña toledana. Foto: Raúl Casado (EFE)

São agricultores em La Mancha, uma das zonas de sequeiro menos rentáveis da Europa, mas também protetores do habitat onde vivem as mais ameaçadas e vulneráveis aves estepárias da Europa.
 
E a sobrevivência a longo prazo destas aves dependerá em grande parte das atividades desses agricultores, mas deveram receber uma consideração/ajuda económica por fazê-lo e por garantir a conservação de uma paisagem imprescindível.
 
Sessenta municípios manchegos e centenas de agricultores vão unir esforços num ambicioso projeto europeu para conseguir que as suas explorações sejam mais rentáveis e contribuam também para melhorar a conservação destas aves ameaçadas.
 
O projeto "Estepas de La Mancha", coordenado pela Fundação Global Nature e onde participa o Governo de Castilla-La Mancha, será prolongado até 2019 e será financiado pela Comissão Europeia através do programa Life, o único instrumento financeiro da UE dedicado exclusivamente ao meio ambiente.
 
Agricultores, fundamentais para a gestão do território
 
A iniciativa que parte da modificação das práticas agrárias tradicionais foi uma das principais causas do declive de muitas aves estepárias, da importância de adotar práticas agrárias e pecuárias sustentáveis e de conservação da caraterística paisagem "de moisaico" manchego.
 
"Não pode gerir o território se não trabalhar diretamente com os agricultores", disse o diretor da Fundação Global Nature, Eduardo de Miguel, muito crítico com a implementação de áreas protegidas como a rede Natura 2000 sem a colaboração direta do setor primário. 
 
Em declarações à EFE, De Miguel verificou que agricultores ou agropecuaristas sofrem em ocasiões "as limitações" ao estar numa área protegida onde não participam na gestão, ou que recebem informação "contraditória" de administrações, sindicatos e ecologistas; "Não sabem o que esperar, porque ninguém lhes informa adequadamente dos benefícios que existem para eles da rede Natura 2000"
 
O projeto europeu pretende melhorar a rentabilidade das explorações agrárias e pecuárias e diminuir os seus custos, e será desenvolvido em quatro espaços que estão incluídos na rede Natura 2000: a área estepária de La Mancha Norte; as áreas húmidas de La Mancha; a Laguna de Hito; e San Clemente.
 
Entre as aves ameaçadas cujo o estado de conservação se pretende melhorar com este projeto, estão presentes o sisão, a calhandra-de-dupont, a abetarda-comum ou o peneireiro-das-torres, muito características todas das zonas estepárias e incluídas nas diretivas europeias que pretendem assegurar a sobrevivência das espécies mais valiosas.
 
As estepas menos rentáveis da Europa
 
Para consegui-lo, a iniciativa planeia reduzir a utilização de pesticidas ou modificar as técnicas de controlo de pragas, mas sobretudo instaurar um clima de confiança entre os agricultores, agropecuários e caçadores para que assumam que a conservação destas espécies não é apenas compatível com os diferentes utilizações do território mas também beneficiam socialmente e economicamente.
 
Eduardo de Miguel explicou que a rentabilidade média dos cultivos nas estepas manchegas é menor comparada com outras zonas de sequeiro espanholas e "muito inferior" à do resto da Europa, pelo que é necessário conseguir um bónus na qualidade que diferencie os seus produtos.
 
Mas na sua opinião, as ajudas da PAC não são suficientes para equiparar as suas rendas com as dos agricultores de sequeiro europeus, pelo que esse bónus poderia ser -disse- a "produção ecológica" e o facto das suas explorações serem fundamentais para conservar "a última biodiversidade da Europa ocidental".
 
O responsável pela Fundação afirmou que a Europa tem que ser consciente de que se quer conservar as últimas aves estepárias do continente "tem que pagar por isso" e garantir ajudas para os agricultores que trabalham nas zonas da rede Natura 2000 por contribuir para a manutenção do habitat dessas aves.
 
O projeto pretende que os agricultores ou agropecuários adiram através de acordos "gratuitos e voluntários" para que seja possível colocar em marcha as medidas agronómicas que lhes permitam melhorar a rentabilidade das suas explorações com menos consumos de fertilizantes ou fitossanitários, aceder a ajudas de desenvolvimento rural e a iniciativas de comercialização diferenciada dos seus produtos.
 
Um "Código de Produção Sustentável"
 
Trata-se, de acordo com a Fundação Global Nature, da criação de um "código de produção sustentável" que identifique a agricultura e a agropecuária como um sistema de produção diferenciado pela qualidade dos seus produtos tradicionais e pela implicação do setor primário na proteção dos valores naturais.
 
Além de eliminar os riscos ou ameaças (utilização de pesticidas ou fertilizantes) o projeto inclui a recuperação de sebos, de pontos de água, a restauração ou construção de áreas de nidificação para as aves, ou la plantação de más de 100.000 plantas que contribuam para assegurar a biodiversidade de La Mancha e da sua caraterística paisagem, e um amplo programa de formação, educação e sensibilização nas escolas e nos municípios."
 
 
 
 
 
 

banner

Sobre o LIFE+ INFONATUR 2000

Difundir o significado e os valores da Rede Natura 2000 é o objetivo do projeto Life+ “Infonatur 2000”, cofinanciado pela UE e que coordena a Junta da Extremadura, e no qual participam a Deputação de Lérida, o Patronato de Turismo da Costa Brava e a Agência EFE.

Mais informação sobre a Rede Natura 2000 em: http://infonatur.gobex.es

[13/11/2016]

 

 

 

Comparte este contenido

Submit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Los parques nacionales cumplen 100 años como abanderados de la biodiversidad

Atardecer en las Tablas de Daimiel. EFE/BeldadLos parques nacionales cumplen cien años y lo hacen como abanderados de la biodiversidad española, la más rica y variada de Europa, y como ejemplo de cómo los espacios protegidos pueden ser el motor del desarrollo socioeconómico de una zona.

Comparte este contenido

Submit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Continuar...

Mais de quatrocentos jovens na Extremadura têm abordado a rede Natura 2000 e conhecido melhor este conjunto de espaços protegidos graças à fábula.

Durante o último ano letivo foi realizado um total de 212 workshops escolares em outras escolas e institutos da Extremadura, que envolveu um total de 410 jovens entre 15 e 18 anos.

Estes alunos participaram num workshop sobre a rede Natura 2000, onde aprenderam a importância destes espaços, mas que também não são "santuários" da natureza e sim locais onde a atividade económica é compatível com a conservação dos recursos mais valiosos.

A celebração destes workshops educativos faz parte da vida do projeto europeu Life + "Infonatur 2000", uma iniciativa da informação e comunicação financiada pela UE para aumentar a sensibilização da rede Natura 2000, na qual participar como parceiros a Junta de Extremadura, a Autarquia Provincial de Lérida, a Secretaria de Turismo da Costa Brava e a Agência EFE.

"O sonho de Natura"

Os workshops para os jovens foram concebidos com o objetivo de sensibilizar este grupo sobre a importância da rede Natura 2000 e, através da fábula, as imagens e infografias fazer refletir sobre a necessidade de cuidar desses espaços.
A fábula, que já possui cada um dos jovens que participaram nos workshops, é "O Sonho de Natura", título do trabalho que foi editado pelo Governo da Extremadura para destacar que a rede europeia Natura 2000 permitiu a preservação da biodiversidade europeia.

"Nós somos parte da natureza. Ela é um pedaço de nós", começa a história, e ao longo da narrativa incide na mensagem de que a figura do homem e a influência histórica das suas atividades são essenciais para conhecer e compreender o meio ambiente.
"O sonho de Natura. Uma história ilustrada" transmite à comunidade escolar uma das premissas fundamentais da rede europeia Natura 2000: é impossível falar do meio ambiente sem a figura omnipresente do homem, e que no meio de todos, incluindo os seres humanos, que fazem parte do universo natural e da biodiversidade.

Um mosaico de habitats

A relação ancestral apresentada pelo homem e a utilização sustentável dos recursos foi o que permitiu usufruir dos benefícios e serviços oferecidos pela natureza, expõe nesta publicação.

E, portanto, considera que a sustentabilidade da terra é uma obrigação coletiva e individual para permitir uma nova geração de sociedade consciente e educada no respeito e orgulho de viver e desfrutar da herança recebida.
Descreve a rede Natura como um mosaico de habitats e espécies de grande raridade, pessoas e paisagens culturais que proporcionam a identidade "e que tornam a Europa no que é".

As ilustrações do livro foram realizadas por José Moreno e Irene Roque.


 

31/7/2016

Sobre o LIFE+ INFONATUR 2000

Difundir o significado e os valores da Rede Natura 2000 é o objetivo do projeto Life+ “Infonatur 2000”, cofinanciado pela UE e que coordena a Junta da Extremadura, e no qual participam a Deputação de Lérida, o Patronato de Turismo da Costa Brava e a Agência EFE.

Mais informação sobre a Rede Natura 2000 em:

 

Comparte este contenido

Submit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn